.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Tantos são os donos de tantas e absolutas verdades... Que cansei!

Mantive-me em silêncio durante todo esse período de explosão de comentários sarcásticos, piadinhas , e ênfases sobre as fases trágicas da trajetória de vida dessa artista. Mas, já que os e-mails continuam chegando e mensagens com uma preocupação duvidosa sobre o que cada um faz da sua vida -  Lógico que mais ainda com os artistas por estarem em evidência nas mídias -  Cansada de ler dia após dia os que  usam e se fartam em divulgar tragégias pessoais, ditam suas normas de conduta, seus deuses, suas confissões de fé e suas "verdades absolutas" em meus sites pessoais... Fiquei literalmente de saco cheio (embora nem tenha um) e resolvi dar também a minha opinião de uma só vez, por isso e só por isso e para isso vou usar esse espaço hoje.
Não tenho nada contra religião alguma, respeito a todas e, principalmente, respeito o direito que cada um tem de decidir seu caminho, pensar, se expressar e  pautar suas escolhas. E sendo assim, quero também ser respeitada. Sim, porque cada um de nós tem o direito de escolher, no mínimo,  entre duas possibilidades: Fazer ou não fazer. Amy assim como cada um de nós, falíveis que somos, seja lá por quais motivos for, fez as escolhas dela e eu a respeito assim, pelo grande talento, pela voz belíssima. E é essa a imagem que quero e vou me lembrar dela. 
Se suas decisões pessoais e intransferíveis foram as certas ou não, não cabe a mim julgar e não o farei. Se vocês se acham mais fortes, que no lugar dela, com a fama dela, com a grana dela, com o talento dela, com a vida dela a tudo superariam e não fariam as escolhas que ela fez, que peguem pra vocês essa responsabilidade de "juízes da vida alheia". Mas não esperem que eu compactue com isso, que repasse ou curta essas mensagens.
Não cultuo pessoas, no máximo os sinto amigos e não ídolos. Mais e principalmente quando esses são artistas.
E assim seguirei compondo o meu céu particular com estrelas, cometas, rajadas de meteoros. Ouvindo, lendo, vendo e curtindo o que cada um deles deixou de melhor.
A Noite Estrelada - Vincent van Gogh.



Marcadores: , , ,

4 Comentários:

  • Parabéns pela lucidez do texto, Jaqueline. Há de se pensar na individualidade, na querência, no prazer de levar a vida que aprouver a cada uma sem questionamentos, sem censuras. Aplaudo o texto, a atitude , a coragem e a poeta. E por que não dizer, a pessoa a quem aprendi a admirar? Um abraço carinhoso,

    Lena Ferreira.

    Por Blogger Serena, às 28 de julho de 2011 05:29  

  • Muito bom tudo que pautou com a lucidez de um ser em crescimento... Afinal, quem somos nós de tão bons assim para saber que labirintos trilhou esta sensibilidade artística?...
    Meu carinho e respeito, uma pitada de
    orgulho e um desejo de bondade, sobretudo, em casos de dor e sofrimento, como este apresentado.
    San

    Por Blogger San - Muito Feliz!, às 28 de julho de 2011 09:40  

  • Todas aqui gostaram :D

    Por Blogger Bia M., às 29 de julho de 2011 15:15  

  • Excelente abordagem, esta cantora merece o carinho e o respeito. O vício dela nunca escondeu o talento e todos nós temos as nossas misérias. Parabéns, Jacke, excelente texto e bela abordagem!

    Por Blogger Jiddu Saldanha, às 29 de julho de 2011 22:52  

Postar um comentário

<< Home